segunda-feira, 3 de março de 2014

Brasil: segundo lugar em vulnerabilidade.


               
 
               Após a avaliação feita pelo Federal Reserve americano, onde o país está na segunda posição (em uma lista de quinze países) no ranking dos países emergentes com a economia mais frágil depois da Turquia, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirma que o Brasil "é um dos países mais bem preparados pós crise". O que nos mostra informações desencontradas, mas qual será a situação real do país?

 
                Em um ano em que o país está em evidencia mundial por conta da Copa, recebendo investimentos externos e, além disso, recebendo uma grande massa de turistas dispostos a conhecer o país, fazendo a economia local de cada região girar em torno desse evento, isso nos mostra uma realidade diferente da anunciada no Fed.

Entretanto, o Brasil tem vivido nos últimos meses, uma "crise" de manifestações contínuas de pessoas insatisfeitas com os altos investimentos para da Copa, juros altos, aumento nos preços dos serviços e produtos e outras situações de irregularidade. A onda de violência que vem acontecendo, também é algo que agrava a imagem do país mediante aos outros países, mostrando para o mundo inteiro que Brasil é um país vulnerável a violência, afastando os turistas mais receiosos e preocupados com a segurança do país.

 
                 A política brasileira é outro assunto que também anda dando o que falar aqui e lá fora, com as acusações de roubo do dinheiro público, em que foi denunciado o esquema do "Mensalão", onde todos envolvidos são parlamentares e pessoas influentes no país, tem feito uma imagem negativa da nossa política, mostrando que o país está jogado as "traças" e com uma completa desordem nacional, onde a saúde, segurança, lazer, e outros serviços básicos oferecidos a população estão precários, em um estado de calamidade. Evidenciando assim que não estamos preparados para receber um evento de grande porte.

 
                  Por conta disso, nossa economia (que movimenta bilhões ao ano) tem sido alvo de rumores de vulnerabilidade, pela má administração, politicagem, desonestidade de nossos políticos, oscilação em nossas taxas de juros, altos impostos e principalmente o "não agir" de nossos representantes, o que realmente deixa nossa economia extremamente fraca e inconfiável para nossos futuros investidores.

 
                   Por outro lado, apesar dos rumores de vulnerabilidade, altos impostos e etc., o país tem sido alvo de empresas multinacionais (principalmente na área de indústria automotiva), que estão dispostas investirem alto no país, de olho nos consumidores que a cada ano estão consumindo mais e poupando menos. O investimento feito de 2010 que irá até 2016, chega a R$ 30 bilhões, investidos em ampliações e instalações das montadoras no país. Essa chegada de grandes investidores irá gerar centenas de empregos no país, ajudando evidentemente para o crescimento do PIB e melhoria no fornecimento de produtos aos seus consumidores.

 
Mas, vale lembrar que no ano passado, o investimento estrangeiro direto caiu 3,9% em comparação ao ano anterior, foram US$ 63 bilhões em 2013 contra US$ 65 bilhões em 2012. O relatório da Unctad destaca que os IED subiram 11% no ano em todo o mundo, atingindo US$ 1,46 trilhão. Os países emergentes são os principais recipientes destes recursos - representando 52% do total. O Brasil caiu da 4ª posição para a 7º no ranking mundial dos maiores recipientes em 2013. O País também teve a pior variação entre os Brics (grupo que reúne ainda a Rússia, a China, a Índia e a África do Sul).  Entre 2000 e 2006, o Brasil recebeu em média US$ 20 bilhões por ano. Desde 2011, a média é três vezes maior - superior a US$ 60 bilhões.

Com todas as informações em números sobre a economia do país, aparentemente a mesma vai de "vento em poupa", recebendo altos investimentos e fazendo tudo girar dentro do país. É contraditório dizer que estamos frágeis economicamente, se nossos investimentos recebidos nos mostram a confiança que os investidores têm no mercado brasileiro, mas é claro que o resultado do relatório Fed causará um impacto nos próximos investimentos e até mesmo nos atuais, mas por outro lado a fragilidade de nosso governo nos deixa à deriva dos resultados, a nossa instabilidade nas taxas de juros e de certo modo no mercado financeiro nacional, não nos ajuda a obter melhores resultados nos rankings mundial.

 
                    Para que nossa economia seja vista como estável pelos órgãos competentes, é necessário adotar metas de crescimento continuas e confiáveis. Essas mudanças primeiramente devem começar por nossos representantes, exterminar a corrupção, e investir melhor o dinheiro no país, melhorar principalmente a segurança e educação, construir pessoas éticas e profissionais altamente qualificados. Uma vez em que o mundo ver que o país está mudando o seu jeito de governar, e ver que seus cidadãos estão satisfeitos com o governo e não haver mais manifestações populares, isso irá significar para quem está de olho no país, que o Brasil não é mais uma nação de corruptos que roubam a si mesmos.

 
Se houver mudanças positivas em nossas regras econômicas, em nossos impostos e "pararmos" de ser corruptos, com certeza olharão para nós com bons olhos. É claro que essa mudança não acontecerá do dia para noite, estamos manchados, e isso leva tempo para sair, mas é preciso começar a esfregar e limpar a mancha/casa, extrair os maus elementos, e principalmente começarmos a votar conscientemente em pessoas íntegras, e com projetos que nos evidenciam como potência forte que somos, com as riquezas que nós temos, e vontade de crescer também. Só estamos cansados e adormecidos por tanta imprudência com o país. Quem perde é o país e todos nós, somos "mal falados" e mal vistos por conta de nossa incompetência política, porque de um em um se faz um milhão, e assim sempre elegemos os piores candidatos para nos representar.

 
                     O Brasil é um país rico em fontes naturais, o que deveria contar a nosso favor, mas não sabemos usar tudo o que temos de forma correta, nossa sequência de erros, principalmente com a sociedade brasileira, é o que nos torna fraco mediante as outras potencias. Crises, escândalos, violência, impostos altíssimos, corrupção, roubo, mensalão, tudo isso colabora para sermos o segundo país com a economia mais vulnerável entre os emergentes, nossos números podem mostrar os melhores investimentos e giros, mas nossas atitudes erronias mostram que somos inteiramente frágeis para recebermos a atenção de todo o mundo.
 
 
 
(MARINHO, Ana Paula - Rio de Janeiro, março, 2014. "Trabalho acadêmico de macroeconomia")

sábado, 23 de abril de 2011

Bullying


Mais uma vez estou aqui para falar sobre um assunto que tem levantado grande polemica e revolta em certos casos. Então, vamos lá...
Nos últimos anos temos escutado muito falar no Bulying. Esse tipo de opressão tem se tornado muito polemico na sociedade, mas para você o que é o Bullying?
Esse transtorno é muito comum entre crianças, nas escolas ou nas ruas, ele é acompanhado de comportamentos inadequados, na maioria dos casos as “vitimas” são crianças com: excesso de peso, tímidas, quietas, com dificuldades de socialização, que sofrem por preconceito racial ou social. Eles são quem mais chamam a atenção de seus agressores, que sempre são crianças nominadas como “líderes” de certos grupinhos de amigos.
Hoje no Brasil é muito fácil encontrarmos um caso de Bullying nas escolas. O grande problema dos educadores é saber lidar com esse tipo de situação, a direção da escola também é responsável por manter a ordem dentro da instituição. Essa dificuldade de administrar um caso de bullying deve-se porque em certos casos os pais não vêem que esses atos de seus filhos podem ser prejudiciais ao colega da criança, os próprios pais vêem essa situação como uma brincadeira inocente entre crianças, que o filho só está se divertindo ou tendo uma atitude impensada. Mediante a essa situação, os responsáveis não punem a criança como se deve, não são capazes de reconhecer que esse tipo de atitude não é saudável para a criança. Por isso os educadores ao se depararem com essa situação, ficam sem saber exatamente o que fazer com o agressor, porque esse tipo de educação também começa de casa.
Temos tido alguns caso de bullying na mídia, no Brasil um caso recente que apontaram como caso de bulying, foi o massacre em uma escola municipal em Realengo (março de 2011) no Rio de Janeiro.
O acusado de matar as crianças (e logo em seguida se matou) deixou gravado em vídeo, que as opressões que ele sofreu naquela mesma escola quando adolescente foi o motivo dele ter feito aquilo, para ele foi uma forma de protesto contra os que cometem esse tipo de opressão contra o próximo.
Ele diz que na época de estudante naquela escola, o mesmo sofreu com agressões físicas e morais, intimidações e zombarias, relata também que sofreu pelo fato de seus colegas não respeitarem seu jeito tímido de ser e sempre o usavam como “piada” na frente de outros alunos. Pode ser esse o resultado para um caso de bullying? Será que o bullying é capaz de deformar a mente de uma pessoa?
São Paulo, 2003
Edmar Aparecido Freitas, 18 anos, era motivo de zombaria dos colegas de classe desde os sete anos de idade. Em 2003, ele foi ao colégio em que estudou armado com um revólver, atingiu nove pessoas e depois se matou.
(Fonte: http://fotolog.terra.com.br/bullying:8)”
Até que ponto iremos aceitar esse tipo de comportamento entre nossas crianças? Crianças que crescem em uma geração violenta onde o que é comum de se ver, são mortes e violência para onde se olha.  Até quando os pais irão fechar os olhos para esse problema? Até quando irão fingir que o bullying não existe e tomar uma atitude diante dessa situação? Por que são os pais os principais conciliadores de seus filhos, é deles a obrigação de averiguar e orientar as crianças para o que é certo ou errado, são os responsáveis de conversarem com os seus filhos (tanto agressores como vitimas) e darem educação de como deve ser um comportamento descente perante uma sociedade, que já não aceita mais esse tipo de comportamento.
Você tem observado seu filho, sobrinho ou neto? Será ele uma vitima de bullying? Ou será ele um opressor? Lembre-se: você é responsável pela formação de caráter de cada criança e é exemplo para os adolescentes. Suas atitudes refletem sobre os menores, então cabe a você observar o comportamento das crianças e vê o que há de errado.
Os sintomas de das crianças que sofrem com esse tipo de opressão, é o medo, a depressão, o isolamento e perda de vontade de ir para a escola ou se socializar com outras crianças. Os agressores nem sempre apontam sinais de que praticam esse ato (até involuntariamente), mas agressividade com outras pessoas pode ser um sinal.
Então fique atento aos sinais, você pode evitar que a criança ou adolescente de hoje, seja o responsável de um ato violento que pode ocorrer amanhã. Temos visto claramente casos e quase que diariamente tragédias envolvendo o bullying, não sejam vocês contribuintes para a violência. Diga não ao bullying, existem muitas crianças que sofrem com esses atos. Vamos reconstruir a educação de nossas crianças. Pense nisso!
Por hoje é só... Até mais.


Ana Paula Marinho (23/04/2011)

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A boa Burocracia



Alguém aí tem ideia do conceito da Burocracia? Alguém já ouviu falar em Max Weber? O pai da burocracia. Ouvimos sempre falar, burocracia pra lá, burocracia pra cá... o que mais ouvimos é: não deu porque a burocracia é muito grande.
Mas alguém de fato sabe o que é burocracia?

Vamos lá... Para você, a burocracia é boa ou ruim?

Burocracia nada mais é do que o procedimento usado pelas empresas para manter a ordem e de certo modo ter organização. Para a administração, a burocracia é ótima! Isso mesmo, Ó T I M A! Estamos acostumados a vê-la de um modo ruim, mas ela faz parte da regras das empresas e de tudo que vivemos em nosso dia a dia. Isso mesmo! 
Um exemplo é quando você vai a uma loja para fazer um cadastramento e etc, aí quem lhe atende pede aquele mundo de documentos, xerox e muitas outras coisas e você diz: que saco!
Não vou descordar que certas coisas são desnecessárias, mas isso nada mais, nada menos é do que burocracia! Ela é essencial dentro de uma organização, para liberação de produtos, para arquivamentos de processos e para guardar dados de clientes.

Para mostrar que a burocracia não é ruim para a administração, vou citar um exemplo. Como é que uma empresa poderá por exemplo cobrar algo a um cliente, se ela não tiver os dados pessoais que lhe foram pedidos no ato do cadastramento?
O melhor exemplo de burocracia, é quando você vai abrir uma conta em um banco e eles te pedem um monte de coisas. Você passa por um sistema que analisa se você se enquadra dentro das leis e burocracia do mesmo. Igual a analise de crédito para fazer um empréstimo, existe toda uma burocracia para ver se você está apto para depois devolver o valor emprestado pelo servidor.
Não irei descordar que a burocracia em certos casos atrapalha o desenvolvimento das coisas e do país. Mas também não irei culpa-la por erros cometidos. A burocracia em si, não há erro nenhum. O problema está naqueles que a impregam, está na pessoa que não sabe fazer o uso dela.
O processo burocrático já é lento e o servidor já não ajuda para que o mesmo possa ser solucionado. Fica difícil né?!

Agora falando no contexto burocrático de nosso país, ouço muito dizer por aí, que a burocracia no Brasil  está um fracasso. Pois bem, a burocracia ela foi feita para nos ajudar, mas infelizmente o que tem nos faltado são pessoas para lidar com tudo isso. Não adianta por pessoas despreparadas para um cargo burocrático. É isso que a torna ainda mais lenta!
Um exemplo muito óbvio que a burocracia brasileira é falha, é citarmos  o poder público de nosso país.
Vemos a olho nu que, para liberação de um processo, levam-se anos para ser de fato consumado. Tudo isso porque as nossas leis contradizem muito com a burocracia. Burocracia e lei não andam lado a lado no Brasil, isso porque quem fez as leis de fato não a conhecia.

Verbas. Vocês já viram como é difícil uma verba ser liberada para uso? Como ela passa por processos, leis e analises? Isso é uma prova viva de que a nossa burocracia bate de frente com nossas leis. O que ocorre que enquanto o processo está em andamento, a população que sobre pela falta de verba para os setores públicos.
Imagine vocês, como seria as empresas, setores públicos e privados, se não existisse a burocracia?!
Seria um desastre total! Acredito que no mundo em que hoje vivemos, não dá mais para viver sem ela, pois já se tornou parte essencial no mundo dos negócios e etc. Mas vale ressaltar, que alguns atos burocráticos são evidentemente desnecessários, que a empresa os emprega sem ter necessidade, apenas para tornar algo mais dificultoso e inalcançável aos menos favorecidos.
Volto a sitar o caso dos bancos. Para abrir uma conta é tão burocrático, que você fica horas lá no setor de cadastramento, e no fim tem-se a notícia que cliente não se enquadrou nos métodos burocráticos do mesmo.

E para finalizar, eu torno a falar; burocracia é ótima!
Tente imaginar seus direitos sendo afirmados apenas por boca, sem ter os métodos burocráticos. De nada valeria...
Então pessoal, quando forem solicitar algum tipo de serviço, não faça cara feia para a burocracia, pois ela é garantia de que seus direitos e contratos não serão violados e que você poderá questiona-los a hora que quiser.
Aprenda que a burocracia foi feita para nos ajudar a nos mantermos organizados e de acordo com as leis sempre! Logo temos que aprender a olha-la com bons olhos. Pois apesar de não ser muito bem aplicada em nosso país, ela nos ajuda a mantermos uma sociedade coerente e de economia estável. Tente endende-la que verás o mundo empresarial com outros olhos.


Dessa vez, meu viva vai para a  BUROCRACIA! Sem ela o mundo estaria ainda mais um caos.


Mundinho bizarro e estranho esse nosso...

Beijos e até a próxima.



-
A garota do blog.